descartes1_1O que é a dor? Aparentemente simples, a resposta começa desde o início a mostrar dificuldades. A dor de quem? A dor imediata? A dor que se mantém? A dor física? 

A tentativa de resposta revela as dificuldades, os paradoxos e a subjectividade de uma questão que necessita ser abordada por vários lados, se pretendemos de alguma forma respondê-la.

Pode-se classificar a dor em dois tipos base, a dor aguda e a dor crónica.

A dor aguda é em geral uma dor de alerta, e que consequentemente é, de forma paradoxal, benéfica. Dá sinal de uma situação especial e grave. Uma traumatismo, uma apendicite, uma queimadura, uma ruptura de ligamento, etc... É uma auxiliar preciosa para quem tem que diagnosticar uma doença ou condição médica. A ausência do mecanismo da dor, patologia raríssima, é algo que provoca enormes dificuldades na vida de quem a sofre, conduzindo a uma esperança de vida diminuída. Há também outras dores agudas relacionadas com procedimentos médicos ou com o parto, que se procuram evitar sempre que possível.

Dor crónica é a que se mantém ou recorre durante longos períodos de tempo (3 a 6 meses, no mínimo). Pode-se relacionar com uma lesão, já tratada, à qual subsiste de forma autónoma, ou não estar relacionada com nenhuma lesão ou razão aparente.

Projecto Dor

imm_75

 

Financiado por: